May 24, 2017

Era comum (não certo), em uma época em que as mulheres eram vistas como mais uma propriedade de seus maridos, elas adicionarem o sobrenome do seu noivo assim que se casassem. Muitas pessoas podem ficar espantadas em nunca terem pensado nisso, porque o amor que sentem pelo marido pode muitas vezes (não em todos os casos) disfarçar uma cultura totalmente machista, por trás de colocar o sobrenome do marido ao se casar.

Embora a sociedade esteja mudando muito, antes tarde do que nunca, ainda temos milhares de questões primárias a serem debatidas: salários, autonomia dos nossos corpos, segurança, respeito e demais batalhas a serem conquistadas.

A questão de carregar o sobrenome apenas do homem de gerações em gerações é mais uma delas e não optar por isso pode ser sim uma alternativa, ou apenas contestar esse hábito automático já é muito importante.

Não trocar nossos nomes, além de questões pessoais, causas maiores, ou até pela facilidade, como evitar inúmeras trocas de papeladas ou atualmente evitar você ter que modificar seu nome em mais de 98 aplicativos e redes sociais que você ao longo dessa geração tecnológica se cadastrou.

E mesmo que não haja um motivo real, concreto. Se achar seu sobrenome bonito, achar que ele tem uma sonoridade boa, gostar de muitos já te conhecerem assim, ou milhões de outros argumentos, pasme: você também pode optar por não mudar seu nome. E te digo mais, você tem toda liberdade e direito sobre ele.

Mas tudo isso não confronta, não exclui ou julga uma grande maioria de casais héteros, em que a mulher ainda opta por colocar o sobrenome do seu marido. Por querer, gostar, como ato de amor ou aquela velha história: ela tem toda liberdade e direito sobre seu nome.

Por falar em ato de amor, porque não cogitar a ideia do homem também pegar o nome da mulher? Ou o homem pegar o nome do homem, a mulher pegar o nome da mulher? Que tal não precisar mudar de nome e amar o parceiro que vai casar?  Vamos agradar uns aos outros, respeitar a decisão, mas repensar uma cultura que discrimina, tornando a resposta dessa questão um ato amoroso, poderoso e de real ligação. Fazendo todos felizes de maneira justa.

Vamos fazer o que quisermos com nossos sobrenomes: cortar, alongar, criar um funk, uma poesia, compor com 6 nomes, colocar acento, adicionar hífen, incrementar com uma #, colocar um ph para deixar mais vintage, colocar um bigode pra disfarçar, ou um óculos redondinho estilo Jhonn Lennon porque está na moda. O que seja, mas deixe ele sendo seu, do jeito que quiser, por mais que surpreenda às vezes a sociedade com sua criatividade exagerada, mas como sabemos: você tem todo direito e liberdade sobre seu nome.

 

E para os que ainda não entenderam, vamos resumir tudo de maneira fácil e sucinta, como prometemos desde o início, com uma fórmula mágica as 5 razões para fazer o que quiser com seu sobrenome:

A vida é sua. Sua vida. É sua vida. A sua vida. Vida, sua é. Sua é a vida.